Connect with us

Hi, what are you looking for?

Destaque

Quatro cidades de MS ficam sem prefeito eleito e podem ter nova votação – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

Moradores de Sidrolândia, Paranhos, Angélica e Bandeirantes foram às urnas neste domingo (15) e tiveram os votos contabilizados pela Justiça Eleitoral. Contudo, ainda assim, ninguém sabe quem serão os prefeitos dessas cidades nos próximos quatro anos, já que os mais votados são candidatos sub judice.

Diferentemente de outros anos, em 2020 as eleições contaram com o status de candidatos indeferidos com recurso, ou seja, que foram reprovados nas instâncias regionais da Justiça Eleitoral, mas que recorreram da decisão.

Como os casos não estavam transitados em julgado ainda – como aconteceu com Sérgio Harfouche (Avante) em Campo Grande – os nomes dos candidatos ao Executivo continuaram nas urnas e foram contabilizados e somados aos válidos. Contudo, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) não trata nenhum desses como eleitos. Fiuza, Urt, Heliomar e Cassuci.

No sistema de divulgação, todos os quatro mais votados e que estão com a tarja “sub judice”, ficando os respectivos municípios, oficialmente, sem um representante para os anos de 2021 e 2024.

Legalmente, os indeferidos com recurso puderam concorrer normalmente e só poderão ser diplomados como prefeitos e empossados no cargo após serem devidamente julgados. Caso a candidatura caia, uma nova eleição pode ter que acontecer em 15 dias após a decisaão final do TSE.

Ao todo, 15 candidatos concorreram a prefeituras em Mato Grosso do Sul nessa condição em 2020. Em Sidrolândia, o vencedor do pleito foi Daltro Fiuza (MDB), que conseguiu 10.646 votos e 46,44% da preferência local, contra outros dois candidatos.

Já em Paranhos, o primeiro colocado foi Heliomar Klabunde (MDB), que obteve 3.912 votos, 61,67% dos votos válidos. João Cassuci (PDT), em Angélica, obteve e 53,02% dos votos, ou sejam, 3.294. Nessas duas cidades, haviam apenas dois candidatos.

O caso mais emblemático é o de Bandeirantes, cidade localizada a 70 km de Campo Grande. Lá, Álvaro Urt (DEM) buscou a reeleição contra quatro candidatos, os vencendo com uma marca expressiva de 50,63%, ou seja, 2.280 votos.

Urt disputou a eleição sob judice, já que há poucos meses ele foi alvo de operação do Ministério Público, teve bens bloqueados por causa de outras irregularidades e ainda foi cassado do cargo de prefeito pela Câmara Municipal. Ainda assim, ele foi às urnas e conseguiu ser mais votado que a soma dos demais candidatos. – CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS

 

You May Also Like

Marketing Digital

Já se foi o tempo em que costumávamos usar o Instagram ou qualquer outra rede social como Facebook ou mensageiros como Whatsapp  para compartilhar...

Cidades

Um candidato a prefeito em Rio Negro, distante 149 km de Campo Grande, terá que excluir um post em que desqualifica uma pesquisa eleitoral...

Brasil

O Brasil atingiu a marca de 200 mil mortos por Covid-19 nessa quinta-feira (7/1). Em 10 meses, o novo coronavírus mudou a maneira como os brasileiros vivem, relacionam-se...

Destaque

A prefeita de Sidrolândia, Vanda Camilo (PP), voltou a trás e anulou a nomeação de três familiares para cargos comissionados na prefeitura da cidade...